Mídia Ignora Assassinato de Muçulmano Canadense

18/02/2015
"Meu irmão levou um tiro através da porta, antes mesmo de tocar a maçaneta, antes de sequer abrir a porta", Ahmed Mattan, irmão da vítima, que também vive no apartamento em Fort McMurray, contou à agência CBC News.
 
"Portanto, o assassino, seja ele ou ela quem for, nem ao menos sabia quem estava matando, exceto pelo fato de que nós vivíamos naquele apartamento".
 
A vítima de 28 anos, Mustafa Mattan, atendia a uma batida na porta em sua casa quando levou um tiro de um criminoso anônimo, no dia 12 de fevereiro, segunda-feira.
 
O assassinato do muçulmano, que havia se mudado de Ottawa para Fort McMurray há menos de um mês, também foi ignorado pela grande mídia, causando indignação entre as comunidades muçulmanas no Canadá.
 
"Morte de #MustafaMattan ignorada pela mídia e mídias sociais", Abu Typo @WahidAtTalib postou em seu Twitter.
 
Outro muçulmano escreveu: "Então #MustafaMattan foi morto na segunda-feira, um dia antes da tragédia de #ChapelHill e praticamente não há cobertura de nenhuma mídia séria sobre o assassinato!! Por quê?"
 
Um dia depois da morte de Mattan, Deah Shaddy Barakat, 23, sua esposa Yusor Mohammad Abu-Salha, 21, e a irmã dela, Razan Mohammad Abu-Salha, 19, foram encontrados mortos em um complexo residencial da faculdade em Chapel Hill.
 
O atirador, identificado como Craig Stephen Hicks, de 46 anos, entregou-se a polícia
 
 
 
Futuro Noivo
 
Formado em ciências da saúde, Mustafa mudou-se para seu novo trabalho em Fort McMurray para economizar dinheiro para seu casamento, segundo a família.
 
"Ele era a pessoa mais doce, quieta, tímida e modesta que você pode imaginar, e ele foi levado muito cedo de nós", seu irmão disse.
 
Uma opinião parecida foi partilhada pelo amigo de Mustafa, que lamentou sua morte.
 
"Ir era seu único propósito. Aquele garoto era inofensivo", Abdi Omar, um amigo da família que vive em Ottawa, disse ao Ottawa Sun.
 
"Nós não estávamos esperando Mustafa (que fosse identificado como a vítima)".
 
"Quando nos contaram na mesquita, todos ficaram chocados".
 
Além disso, um dos seus amigos de infância arrecadou mais de $4.900 para ajudar a família da vítima com os custos do funeral.
 
Lamentando a morte do irmão mais velho, a irmã de Mattan, Salma Mattan, contou à CTV News: "ele incorporou tudo que nossa religião nos ensina, ele era sereno."
 
"Ele era confiável. Era uma pessoa honesta."
 
Vivendo no Canadá desde os dois anos de idade, Mattan era formado pela Universidade de Ottawa e um membro ativo da Mesquita Assalam, em St. Laurent Boulevard.
 
Enquanto os motivos por trás do assassinato continuam vagos, a Polícia Montada Real do Canadá classificou a morte como "homicídio".
 
Os ataques terroristas em Ottawa e Saint-Jean-sur-Richelieu, há alguns meses, somados às mortes em Paris, tem levado a níveis imprescindíveis de ataques anti-islâmicos no Canadá, onde várias mesquitas foram vandalizadas.
 
Muçulmanos somam cerca de 2,8% da população de 32,8 milhões do Canadá, e o Islam é a religião número um entre as crenças não-cristãs no país. Uma pesquisa recente mostrou que a grande maioria dos muçulmanos se orgulham de ser canadenses, e que eles têm níveis mais altos de educação que a população em geral.
 
 
 
Fonte: OnIslam


Voltar



UNI União Nacional Islâmica
Telefones
(5511) 3227-9660
(5511) 3227-8663
uni@uniaoislamica.com.br

Imprensa
Núcleo de Jornalismo da UNI:
e-mail: imprensa@uniaoislamica.com.br

© Copyright 2012.
Todos os direitos reservados.